2
Campo Grande - MS Busca
Internacional

Soldados israelenses entram em conflito com o Hamas dentro de Gaza em meio a ataques aéreos implacáveis

O Ministério da Saúde de Gaza disse que 436 pessoas foram mortas em bombardeios nas últimas 24 horas, a maioria delas no sul do território estreito e densamente povoado.

12:00 - 23 out 2023 | Por Douglas Duarte

Créditos: Reuters

Israel atacou centenas de alvos em Gaza pelo ar nesta segunda-feira, enquanto seus soldados também lutaram contra militantes do Hamas durante ataques ao enclave palestino sitiado, onde as mortes aumentam e os civis estão presos em condições angustiantes.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que 436 pessoas foram mortas em bombardeios nas últimas 24 horas, a maioria delas no sul do território estreito e densamente povoado.

Os militares israelenses disseram ter atingido mais de 320 alvos em Gaza em 24 horas, incluindo um túnel que abrigava combatentes do Hamas, dezenas de postos de comando e de vigia e posições de lançamento de morteiros e mísseis antitanque.

Com os 2,3 milhões de habitantes do território a ficarem sem bens básicos, os líderes europeus pareciam determinados a seguir as Nações Unidas e os países árabes no apelo a uma “pausa humanitária” nas hostilidades para que a ajuda pudesse chegar até eles.

Tropas e tanques israelenses estão concentrados na fronteira entre Israel e Gaza. Não está claro quando poderão lançar uma tão divulgada invasão destinada a eliminar o Hamas.

O conflito está a aumentar para além de Gaza.

Aviões israelenses também atingiram posições no sul do Líbano mantidas pelo Hezbollah, que, como o Hamas, é um grupo aliado do Irã, inimigo de longa data de Israel.

O exército israelita e os palestinianos também entraram em confronto na Cisjordânia ocupada. E o Hamas disparou mais foguetes contra Israel.

A ONU disse que os desesperados habitantes de Gaza carecem de comida, água, medicamentos e locais para se abrigarem dos ataques implacáveis ​​que devastaram áreas do enclave governado pelo Hamas.

Alguma ajuda chegava a uma passagem da fronteira para Gaza, mas apenas uma pequena fracção do montante necessário.

Pelo menos 5.087 palestinos foram mortos em duas semanas de ataques, incluindo 2.055 crianças, disse o Ministério da Saúde.

O bombardeio israelense foi desencadeado por um ataque transfronteiriço às comunidades israelenses em 7 de outubro por militantes do Hamas que mataram 1.400 pessoas e fizeram mais de 200 reféns – o episódio mais sangrento em um único dia desde que o Estado de Israel foi fundado, há 75 anos.

LUTA DENTRO DE GAZA

Tanto Israel como o Hamas relataram confrontos durante a noite em Gaza.

Israel disse que as forças terrestres organizaram ataques limitados para combater homens armados palestinos e que os ataques aéreos se concentraram em locais onde o Hamas se reunia para emboscar qualquer invasão israelense mais ampla.

“Estes ataques são ataques que matam esquadrões de terroristas que se preparam para a nossa próxima fase da guerra. São ataques que vão fundo”, disse o porta-voz militar Daniel Hagari, acrescentando que as operações também procuraram informações sobre os 222 reféns detidos pelo Hamas.

O braço armado do Hamas, as Brigadas Izz el-Deen al-Qassam, disse que os seus combatentes enfrentaram uma força israelita que se infiltrou no sul de Gaza, destruindo duas escavadoras e um tanque e forçando os invasores a retirarem-se.

Israel não fez comentários sobre o incidente.

As Brigadas Al-Qassam também disseram estar disparando mísseis contra as cidades de Ashkelon e Mavki’im, no sul de Israel. Sirenes de alerta soaram do lado israelense.

Os militares israelitas, os mais poderosos do Médio Oriente, enfrentam um grupo que construiu um grande arsenal com a ajuda do Irão, lutando num ambiente urbano populoso e utilizando uma vasta rede de túneis.

O escritório humanitário da ONU (OCHA) disse que cerca de 1,4 milhão da população de Gaza – mais da metade – estão agora deslocados internamente, com muitos buscando refúgio em abrigos de emergência superlotados da ONU.

Israel ordenou aos residentes de Gaza que evacuassem o norte. Mas muitos dos que fugiram pareciam estar a regressar ao norte devido ao aumento dos bombardeamentos no sul e à falta de abrigo.

“Eles nos disseram para evacuar sua casa e ir para Khan Younis porque é seguro… Eles nos traíram e nos bombardearam”, disse Dima Al-Lamdani, de 18 anos, que perdeu seus pais, sete irmãos e quatro membros de sua família. a família do tio em um ataque aéreo depois que a família se mudou para o sul.

ESPALHANDO A VIOLÊNCIA

Na manhã de segunda-feira, aviões de guerra israelenses também atacaram duas células do Hezbollah no Líbano que planejavam lançar mísseis e foguetes contra Israel, disseram os militares israelenses. Israel também atingiu um complexo do Hezbollah e um posto de observação.

Na Cisjordânia ocupada por Israel, dois palestinos foram mortos no campo de refugiados de Jalazone, perto de Ramallah, disse o Ministério da Saúde da Autoridade Palestina.

Moradores disseram à Reuters que as forças israelenses invadiram o campo e fizeram muitas prisões enquanto entravam em confronto com homens armados e alguns jovens que atiravam pedras. Os militares israelenses disseram que 15 suspeitos foram detidos, dez deles agentes do Hamas.

“Os suspeitos atiraram dispositivos explosivos e blocos de pedra dos telhados contra as forças de segurança israelenses, que responderam com fogo real. Os acertos foram identificados”, disse o comunicado em comunicado.

Um terceiro comboio de ajuda entrou na passagem de Rafah vindo do Egito na segunda-feira, somando-se aos 34 caminhões nos dois dias anteriores.

A ONU disse que a ajuda que chega até agora representa apenas 4% da média diária antes das hostilidades.

Em Bruxelas, os líderes da União Europeia, reunidos no final desta semana, apelarão a um cessar-fogo para permitir que a ajuda flua com segurança, de acordo com o projecto de conclusões visto pela Reuters. Eles disseram que apoiaram um apelo semelhante do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que visitou Rafah na semana passada. As nações árabes também querem uma trégua.

Autoridades da UE disseram que o texto ainda pode mudar antes da cúpula. Alguns países expressaram reservas quanto a pedir um cessar-fogo, pois isso poderia ser visto como uma limitação do direito de Israel à autodefesa.