Campo Grande - MS Busca
Internacional

Gaza se prepara para ataque terrestre israelense, crescem os temores de que o conflito se espalhe

O esperado ataque terrestre não havia começado nas primeiras horas de domingo.

11:00 - 15 out 2023 | Por Douglas Duarte

Sistema antimíssil Cúpula de Ferro de Israel intercepta foguetes lançados da Faixa de Gaza, visto de Ashkelon, no sul de Israel, 14 de outubro de 2023. REUTERS

Tropas israelenses se prepararam neste domingo para um ataque terrestre à Faixa de Gaza controlada pelo Hamas, enquanto o país revidava por um ataque sem precedentes ao seu território, e o Irã alertava sobre “consequências de longo alcance” se O bombardeio de Israel não foi interrompido.

Israel prometeu aniquilar o grupo militante Hamas em retaliação ao ataque violento em que os seus combatentes invadiram cidades israelitas há oito dias, disparando contra homens, mulheres e crianças e fazendo reféns, no pior ataque contra civis na história do país.

Cerca de 1.300 pessoas foram mortas no ataque inesperado, que abalou o país por causa de imagens horríveis de vídeos de celulares e de relatos de serviços médicos e de emergência sobre atrocidades nas cidades e kibutzes que foram invadidos.

Israel respondeu submetendo Gaza ao bombardeamento mais intenso que alguma vez viu, colocando o enclave, onde vivem 2,3 milhões de palestinianos, sob cerco total e destruindo grande parte das suas infra-estruturas.

O esperado ataque terrestre não havia começado nas primeiras horas de domingo.

As autoridades de Gaza disseram que mais de 2.200 pessoas foram mortas, um quarto delas crianças, e quase 10.000 ficaram feridas. As equipes de resgate procuraram desesperadamente por sobreviventes dos ataques aéreos noturnos. Um milhão de pessoas teriam deixado suas casas.

O governo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, também disse ao grupo militante libanês Hezbollah para não iniciar uma guerra numa segunda frente, ameaçando a “destruição do Líbano” se o fizesse.

A missão do Irã nas Nações Unidas alertou na noite de sábado que se os “crimes de guerra e genocídio” de Israel não fossem interrompidos imediatamente, “a situação poderia sair do controlo” e ter consequências de longo alcance.

Tanto o Hamas como o Hezbollah são apoiados pelo Irão.

O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, reuniu-se com o ministro das Relações Exteriores do Irã no sábado no Catar, onde discutiram o ataque do grupo palestino em Israel “e concordaram em continuar a cooperação” para alcançar os objetivos do grupo, disse o Hamas em comunicado.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e outros líderes mundiais alertaram contra qualquer país que amplie o conflito. E organizações internacionais e grupos de ajuda apelaram à calma e pressionaram Israel para permitir a assistência humanitária.

Em Nova Iorque, a Rússia pediu ao Conselho de Segurança da ONU que votasse na segunda-feira um projecto de resolução sobre o conflito Israel-Hamas que apela a um cessar-fogo humanitário e condena a violência contra civis e todos os actos de terrorismo.

AVISOS CONTRA CONFLITOS MAIS AMPLOS, PEDIDOS DE AJUDA

No sábado, Biden telefonou a Netanyahu e, ao mesmo tempo que reiterou o apoio “inabalável” a Israel, discutiu a coordenação internacional para garantir que civis inocentes tenham acesso a água, alimentos e cuidados médicos.

Biden também conversou com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, que enfatizou a necessidade urgente de permitir corredores urgentes de ajuda humanitária em Gaza.

O Departamento de Defesa dos EUA disse que o grupo de ataque de porta-aviões Eisenhower começaria a se mover em direção ao Mediterrâneo Oriental para se juntar a outro grupo de ataque de porta-aviões que já estava lá.

O secretário da Defesa, Lloyd Austin, disse que isso era “parte do nosso esforço para dissuadir ações hostis contra Israel ou quaisquer esforços para ampliar esta guerra após o ataque do Hamas a Israel”.

Na sexta-feira, os militares israelitas disseram aos residentes da metade norte da Faixa de Gaza, que inclui o maior colonato do enclave, a Cidade de Gaza, para se deslocarem imediatamente para sul. No sábado, disse que garantiria a segurança dos palestinos que fogem em duas estradas principais até às 16h00 (13h00 GMT). As tropas estavam se reunindo conforme o prazo passava.

O Hamas disse às pessoas para não saírem e disse que as estradas não são seguras. Afirmou que dezenas de pessoas foram mortas em ataques a carros e caminhões que transportavam refugiados na sexta-feira, o que a Reuters não pôde verificar de forma independente.

Alguns residentes disseram que não iriam sair, lembrando-se da “Nakba”, ou “catástrofe”, quando muitos palestinos foram forçados a abandonar as suas casas durante a guerra de 1948 que acompanhou a criação de Israel.

“Eles estão nos atacando, mas não vamos sair de nossas casas e não seremos deslocados”, disse Shaheen, sentada em casa com seus netos, enfrentando o implacável bombardeio israelense e a escassez de pão, água potável e energia.

Israel diz que o Hamas está impedindo as pessoas de saírem para usá-las como escudos humanos, o que o Hamas nega.

O Ministério da Saúde palestino disse na manhã de domingo que 300 pessoas, a maioria crianças e mulheres, foram mortas e outras 800 ficaram feridas em Gaza durante as últimas 24 horas.

A única rota de saída de Gaza que não estava sob controlo israelita era um posto de controlo com o Egipto em Rafah. O Egito afirma oficialmente que seu lado está aberto, mas o tráfego está interrompido há dias por causa dos ataques israelenses. Fontes de segurança egípcias disseram que o lado egípcio está a ser reforçado e que o Cairo não tem intenção de aceitar um influxo maciço de refugiados.

Um funcionário do Departamento de Estado dos EUA disse que os Estados Unidos estão trabalhando para abrir a passagem para permitir a saída de algumas pessoas e estão em contato com palestinos-americanos que desejam deixar Gaza. Washington disse mais tarde que havia dito aos seus cidadãos para tentarem chegar à travessia.

Israel diz que a sua ordem de evacuação é um gesto humanitário ao mesmo tempo que erradica os combatentes do Hamas. As Nações Unidas afirmam que muitas pessoas não podem ser transportadas com segurança dentro de Gaza sem causar um desastre humanitário.

AVISO DO HEZBOLÁ

A violência em Gaza tem sido acompanhada pelos confrontos mais mortíferos na fronteira norte de Israel com o Líbano desde 2006, aumentando o receio de que a guerra se espalhe para outra frente.

O movimento armado Hezbollah do Líbano disse que disparou contra cinco postos israelenses na área disputada de Shebaa Farms com mísseis guiados e morteiros. A Reuters viu mísseis disparados contra um posto do exército israelense e ouviu bombardeios e tiros de Israel.

A rádio Kan de Israel informou que cinco aldeias fronteiriças estavam fechadas em resposta a uma suspeita de incursão do Líbano.

O conselheiro de segurança de Netanyahu, Tzachi Hanegbi, disse que Israel estava “tentando não ser arrastado para uma guerra em duas frentes” e alertou o Hezbollah para ficar fora dos combates.