2
Campo Grande - MS Busca
Internacional

Equipes forenses israelenses descrevem sinais de tortura e abuso

Cerca de 1.300 corpos foram levados para uma base militar, onde serão realizadas verificações forenses para determinar a identidade dos mortos e as circunstâncias da morte.

23:00 - 14 out 2023 | Por Douglas Duarte

Créditos: Reuters

Equipes forenses militares em Israel examinaram corpos de vítimas do ataque do Hamas na semana passada a comunidades ao redor da Faixa de Gaza e encontraram vários sinais de tortura, estupro e outras atrocidades, disseram autoridades neste sábado.

Cerca de 1.300 corpos foram levados para uma base militar em Ramla, no centro de Israel, onde verificações forenses para determinar a identidade dos mortos e as circunstâncias da sua morte são realizadas por equipas especializadas.

Cerca de 90% dos militares mortos foram identificados e as equipes estão a meio caminho da identificação dos civis, disse o rabino Israel Weiss, ex-rabino-chefe do exército, um dos funcionários que supervisionam a identificação dos mortos. Ele disse que muitos corpos apresentavam sinais de tortura e também de estupro.

“Vimos corpos desmembrados com braços e pés decepados, pessoas que foram decapitadas, uma criança que foi decapitada”, disse aos repórteres um subtenente da reserva identificado apenas pelo seu primeiro nome, Avigayil.

Ela disse que vários casos de estupro foram encontrados por exames forenses dos corpos, que foram armazenados em contêineres refrigerados.

“Fazemos a identificação com todos os meios que temos”, disse um dentista militar, identificado como Capitão Maayan. “Nós os vemos em estágios graves de abuso. Vemos tiros e vemos sinais que são puramente tortura”.

Os militares que supervisionaram o processo de identificação não apresentaram nenhuma prova pericial na forma de fotos ou registros médicos.

O Hamas, o movimento islâmico que controla a Faixa de Gaza, negou as acusações de abuso.

Centenas de homens armados do Hamas, alguns em motocicletas, romperam barreiras em torno de Gaza nas primeiras horas de 7 de Outubro e invadiram comunidades próximas, atacando uma grande festa dançante ao ar livre, bem como casas e bases militares e raptando mais de 120 israelitas e estrangeiros.

O ataque brutal causou um choque profundo em Israel devido ao número sem precedentes de mortos num único dia, bem como às imagens horríveis que surgiram nas cidades e kibutzes que foram invadidos.

Em resposta, jatos e artilharia israelitas bombardearam a Faixa de Gaza durante dias, matando mais de 2.200 palestinianos e destruindo milhares de edifícios antes de uma esperada invasão terrestre.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, comparou o Hamas ao Estado Islâmico, que ganhou notoriedade mundial pela sua campanha de decapitações públicas em países como a Síria e o Iraque.

Créditos: REUTERS