2
Campo Grande - MS Busca
Policial

Adolescente torturada pelo namorado segue internada

O caso aconteceu na capital.

13:00 - 18 out 2023 | Por Douglas Duarte

A adolescente torturada pelo namorado permanece internada na Santa Casa de Campo Grande. A menina de 17 anos foi resgatada nessa terça-feira (17) de uma residência no Bairro Moreninhas. Ela estava com queimaduras pelo corpo e cortes nas partes íntimas. Agora, se recupera sob cuidados médicos e da família.

Segundo apurado pela reportagem, nesta quarta-feira (18) a menina passou por exames. Apesar dos bons resultados, ela ainda espera avaliação de outros especialistas, como ginecologista e cirurgião plástico, e por isso permanece internada.

Enquanto isso, a polícia segue na buscas pelo namorado dela, Samuel Góes.

O caso

Samuel foi visto pela última vez pouco antes da namorada ser encontrada. Na manhã de terça-feira (17) ele saiu de casa e deixou a chave em um estabelecimento próximo do local, com pedidos de que ela fosse entregue ao proprietário.

Ele e a menina moravam juntos na residência há cerca de três semanas. A chave foi entregue e o proprietário foi até o local. Quando abriu a porta, encontrou a vítima desorientada e com diversos ferimentos pelo corpo. Em seguida, uma tia do suspeito foi chamada para ir até o local e encaminhou a vítima para a Unidade de Pronto Atendimento do bairro Moreninhas.

A menina teve os cabelos cortados e foi queimada com ferro de passar e água quente. Enquanto tomava banho, o suspeito também deu choques elétricos na adolescente. Durante as sessões de tortura, ele ainda fez cortes na vagina dela com faca.

Para não reagir, ela teria sido dopada com comprimidos de clonazepam, ansiolítico utilizado no tratamento contra ansiedade e depressão, mais conhecido como Rivotril, marca que comercializa o medicamento.

Depois de passar por atendimento médico, a adolescente prestou depoimento na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e foi submetida a exame de corpo de delito no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal).

O caso foi registrado como tentativa de feminicídio, tortura, sequestro e cárcere privado.